sábado, 30 de maio de 2009

Paio Mendes

Paio Mendes, o arcebispo Paio Mendes, para além de uma extraordinária personagem histórica de Portugal, viu o seu nome colocado a uma das aldeias históricas portuguesas.

Não será por acaso que tal aldeia terá levado o seu nome.

Merece um estudo aprofundado da personagem e da aldeia.

No correr destas viagens pela História voltamos, agora, às origens, ao tempo em que «tudo começou». O que nos leva a considerar uma noção que não está muito divulgada entre nós: a noção dos Fundadores.

Reprodução fac-similada da Confirmação do Couto de Braga por Dom Afonso Henriques, primeiro Rei de Portugal, ao Arcebispo Paio Mendes, em 1128, com tradução em portugês no verso. Este documento é também conhecido por “Acta de Fundação de Portugal”.
(Reprodução do Documento de Doação do Couto de Braga
Reprodução fac-similada da Confirmação do Couto de Braga por Dom Afonso Henriques, primeiro Rei de Portugal, ao Arcebispo Paio Mendes, em 1128, com tradução em portugês no verso. Este documento é também conhecido por "Acta de Fundação de Portugal".)

De facto, tendemos a considerar o primeiro rei, D. Afonso Henriques, como o quase-único artesão da indepNesta crónica, ocupar-me-ei de um só desses fundadores, um dos mais esquecidos e ausentes da memória popular: trata-se de Paio (isto é: Pelágio ou Pelayo…) Mendes, que foi arcebispo de Braga entre 1118 e 1137.

Segundo uma tradição histórica muito aceite, embora não totalmente comprovada, D. Paio Mendes pertencia à poderosa casa da Maia e era irmão de dois outros fundadores: Soeiro Mendes da Maia e Gonçalo Mendes da Maia, que ficou conhecido como «o Lidador». Para o caso que nos ocupa, não é importante saber se pertencia à casa da Maia ou à casa de Sousa; o que importa é o apoio que deu a D. Afonso Henriques e a provável influência que exerceu junto do infante — aliás, o Prof. Torcato Sousa Soares defendeu como hipótese quase certa que foi Paio Mendes, e não Egas Moniz, o aio de Afonso Henriques, hipótese que justificou com argumentos bastante convincentes.

De qualquer modo, o certo é que a acção deste homem se revelou decisiva em dois aspectos, sendo que o primeiro foi a sua luta constante contra Diogo Gelmires, arcebispo de Compostela. De facto, pode-se dizer que a luta pela emancipação da terra portucalense, foi (não só mas também) o verdadeiro duelo travado entre Compostela e Braga no campo da organização eclesiástica, da disputa pelas sés sufragâneas de cada arquidiocese. Dada a importância da Igreja, um tal conflito não podia deixar de ter reflexos políticos, mesmo porque os arcebispos também eram potentados militares. Ora, a verdade é que D. Paio Mendes mostrou-se particularmente dinâmico na defesa de Braga contra as investidas de Compostela.

O segundo aspecto foi, como referido acima, a adesão do arcebispo ao movimento autonomista de Afonso Henriques — e talvez mesmo que, em lugar de «adesão», se deva dizer «inspiração». Note-se que, quando D. Teresa, que se travou de razões com Paio Mendes, o exilou, este foi para Zamora — e levou consigo o jovem infante portucalense. Pois bem: como é sabido, foi justamente nessa ocasião, em Zamora, que Afonso Henriques se armou a si próprio cavaleiro, o que correspondia a dar um passo simbólico na direcção de uma coroa real, pois só os reis se armavam cavaleiros a si mesmos. E D. Paio Mendes estava presente; é difícil não pensar que aquele acto político se deve à sua influência, mais até do que à única iniciativa do então muito jovem infante.

Foi isto em 1122 ou 1125. E em 1128 travava-se a batalha de São Mamede, que deu o poder a Afonso Henriques. Ao lado do infante, estavam Egas Moniz, estavam os Sousas, estavam os da Maia — estava D. Paio Mendes, muito possivelmente, um dos grandes promotores da revolta contra D. Teresa e a «facção galega».

Sem dúvida que, na nossa Galeria dos Fundadores, temos de incluir este quase esquecido arcebispo de Braga.

- Os Fundadores


Aldeia de Paio Mendes

(Aldeia Histórica)

Aldeia situada a oeste da margem direita do Zêzere, foi fundada por Paio Mendes (arcebispo), membro da Ordem do Templo.

Com a extinção da Ordem, passa em 1319 para as mãos da Ordem de Cristo.

1 comentário:

Luis disse...

Boas

Tenho o grande prazer de morar neste aldeia. Gostava de saber mais sobre os Templarios e Paio Mendes.

Cumps